quarta-feira, 23 de junho de 2010

Jiboia, chapéu, carneiro...

Hoje me dei conta de como estou vendo e ouvindo diferente as coisas. A impressão que tenho que é troquei de olhos e ouvidos, mas talvez tenha sido algo mais profundo do que coisas físicas. Percebo que coisas que antes eram tão simples, hoje têm toda uma trama algo que tem um porque, uma explicação, que antes era irrelevante, por quê?

Coisas que posso comparar entre só a existência do azul e agora azul claro, escuro, marinho, turquesa e por aí vai, surgem infinidades de opções, ou o que antes necessitava de imenso desgaste físico e mental para realizar hoje é algo tão simples quanto respirar. Sinto-me vendo uma jiboia que comeu um elefante e não mais um chapéu. Ou talvez minha jiboia tenha sido reconhecida, se eu fui reconhecida ou reconheci eu não sei, o fato é que as coisas mudaram, elas sempre mudam, isso não é surpresa para ninguém, acontece com todos em todas as fases. Talvez esse seja o preço de se ter dezoito anos. Vai saber.

Não são de maneira alguma, ruins essas mudanças, são mudanças internas a nível de percepção a gente cresce aos poucos e entende aos poucos, consequentemente, algumas coisas, e ao mesmo tempo deixa de entender outras. Talvez daqui alguns anos eu desaprenda tudo de novo e aprenda novamente, já vi acontecer tantas vezes isso, eu não seria a primeira nem a última.

Ou talvez ainda eu prefira um carneiro à jiboia, acho que li muito pequeno príncipe.

Mas como disse um amigo meu certa vez, sei ler, fazer tricot, crochê, lavar a louça mais ou menos e ainda por cima li o pequeno príncipe, já já podem criar uma música Jéssica e não mais Amélia. Que horror, estou longe disso (risos, ou melhor, gargalhadas)!

PS: Como eu detesto posts com toque pessoal...

2 comentários:

Estela Moura disse...

Todos deveriam ler "O Pequeno Príncipe" e refletir sobre a profunda crítica que ele traz.

PS.: Você está muito longe de ser Amélia, fique tranquila.

Fábio disse...

saiba que muita coisa ainda vai mudar... e isso é ótimo!

=)